Rádio Líder FM Online de Acopiara

terça-feira, 5 de abril de 2016

Explosão deixa mortos e feridos no Subúrbio do Rio


Pelo menos cinco pessoas morreram e outras 13 ficaram feridas na explosão de um prédio em Fazenda Botafogo, no Subúrbio do Rio, na madrugada desta terça-feira (5). Ao todo, 18 pessoas foram atingidas pela explosão. O acidente aconteceu na Rua Omar Fontoura, perto da Rua Pedro Jório. De acordo com a Defesa Civil, a explosão pode ter sido provocada pelo vazamento de uma tubulação da Companhia Estadual de Gás (CEG). 

Bombeiros do quartel de Irajá atuam no local, com apoio de ambulâncias dos quartéis de Campinho, Parada de Lucas, Guadalupe e Ricardo de Albuquerque. Segundo informações dos agentes, a explosão teria ocorrido no primeiro andar de um prédio do conjunto habitacional. 

Segundo a Defesa Civil, apesar dos danos, o prédio não corre o risco de desabamento. “Todo o piso do primeiro pavimento acabou afundando, porque são módulos preenchidos por painéis, paredes e lajes e que, no primeiro pavimento de algumas unidades, veio a se romper e afundar. O afastamento de algumas colunas não está caracterizando, nesse momento, um risco para o prédio desabar, então essa possibilidade nós já descartamos", afirmou Motta.

"Impeachment de Dilma é rasgar a Constituição", diz Cardoso, da AGU


O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, declarou, durante a defesa na comissão do impeachment, nesta segunda-feira (4) que o impeachment da presidente Dilma Rousseff será "golpe" e "rasgar a Constituição". Cardozo entregou hoje a defesa da presidente à comissão especial da Câmara que analisa se aceita ou não a denúncia contra Dilma. 

"Esse processo de impeachment é nulo, foi realizado em desconformidade com a Constituição", declarou. Cardozo solicitou "a anulação do processo e que sejam rejeitadas as denúncias por não existirem crimes de responsabilidade". 

A defesa foi "longa e exaustiva", como definiu Cardozo logo de início. Ele falou durante cerca de duas horas sobre as quase 200 páginas do documento que entregou à comissão. Segundo ele, "não existem crimes de responsabilidade" e que o processo de afastamento "é marcado por profundos vícios". 

Cardozo fez uma série de críticas em relação à condução do processo, como a inclusão do conteúdo da delação do senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS) no pedido de impeachment, o que não constava inicialmente, e a ouvida dos autores do pedido na comissão para esclarecer a denúncia, antes da apresentação da defesa da presidente. 

Em sua manifestação, Cardozo recorreu à Constituição para afirmar que o impeachment é uma "situação de extrema excepcionalidade" e que um "presidente eleito só pode ser afastado se houver pressupostos jurídicos e indiscutíveis", que são os crimes de responsabilidade. "Se não houver crime de responsabilidade, não pode haver cassação de mandato do presidente". 

Cardozo denunciou que "houve desvio de finalidade no recebimento da denúncia" por ter sido uma "retaliação do presidente da Câmara [Eduardo Cunha (PMDB-RJ)] ao PT, cuja base votou favoravelmente à abertura de processo contra ele na Comissão de Ética da Casa". 

"A decisão [de Cunha] não visou, na abertura do processo de impeachment, o cumprimento da Constituição. Ele usou da sua competência para fazer vingança e retaliação à presidente", afirmou. 

Dilma Rousseff é acusada de crimes de responsabilidade que podem levar à perda do cargo. Segundo a acusação, o governo federal contraiu empréstimos de bancos públicos para pagar programas sociais --o que é ilegal e se apelidou de pedaladas fiscais-- e publicou decretos autorizando a abertura de crédito suplementar sem a autorização do Congresso. 

No documento apresentado por Cardozo, a defesa argumenta que as pedaladas fiscais não configuram crime de responsabilidade porque não são empréstimos. Também segundo a defesa, os decretos de crédito suplementar estão de acordo com a meta de superávit primário.