Rádio Líder FM Online de Acopiara

quinta-feira, 30 de março de 2017

Senador do RS é acusado de agressão pela mulher jornalista


A mulher do senador Lasier Martins (PSD/RS) registrou queixa contra o marido por lesão corporal e injúria em Brasília. A denúncia foi feita na última terça-feira (28) na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) da capital federal. A acusação só se tornou pública agora, após notícia no jornal Correio Braziliense. 

A jornalista Janice Santos, de 38 anos, casada com o político há cinco, relatou ter sido agredida durante uma dicussão e realizou exame de corpo de delito para auxiliar a investigação. 

A discussão foi motivada por uma suposta traição do senador. “Ele ligou para a mulher [que Janice confirmou ser uma namorada], colocou a ligação no viva voz e começou a me bater de cinta. Ele me bateu de cinta com a mulher no viva voz escutando, você pode imaginar?”, disse a mulher. 

Separação 

A assessoria de comunicação de Lasier confirmou que ele foi informado sobre a denúncia e nega qualquer tipo de agressão. O casal está em processo de separação e, segundo o senador, a mulher estaria passando por problemas psicológicos. Ambos jornalistas, os dois se conheceram quando trabalhavam na RBS TV, no Rio Grande do Sul. 

Lasier, hoje com 74 anos, foi comentarista político da emissora até decidir concorrer ao cargo de senador, em 2014. Em dezembro de 2016, ele anunciou a mudança de partido, do PDT para o PSD, por discordar do apoio da sigla à permanência de Dilma Rousseff (PT) na Presidência da República. No Senado, o parlamentar votou a favor do impeachment de Dilma.

Eduardo Cunha é condenado a 15 anos de prisão

O juiz federal Sérgio Moro condenou nesta quinta-feira, 30, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB) por crimes de corrupção, de lavagem e de evasão fraudulenta de divisas, 15 anos e 4 meses de prisão. O peemedebista foi condenado em ação penal sobre propinas na compra do campo petrolífero de Benin, na África, pela Petrobras, em 2011. 

"Entre os crimes de corrupção, de lavagem e de evasão fraudulenta de divisas, há concurso material, motivo pelo qual as penas somadas chegam a quinze anos e quatro meses de reclusão que reputo definitivas para Eduardo Cosentino da Cunha. Quanto às penas de multa, devem ser convertidas em valor e somadas", condenou Moro. 

A prisão repercutiu na Câmara Federal e é grande a expectativa de deputados opositores para Cunha agora, sim, decida realizar delação premiada. 

Regime fechado com progressão 

O magistrado da Lava-Jato afirmou ainda. "Considerando as regras do artigo 33 do Código Penal, fixo o regime fechado para o início de cumprimento da pena. A progressão de regime para a pena de corrupção fica, em princípio, condicionada à efetiva devolução do produto do crime, no caso a vantagem indevida recebida, nos termos do artigo 33, parágrafo 4º, do Código Penal." 

Eduardo Cunha foi preso preventivamente por ordem do juiz federal Sérgio Moro em 19 de outubro, em Brasília. 

Os valores da propina a Cunha teriam saído da compra, pela Petrobras, de 50% dos direitos de exploração de um campo de petróleo em Benin, na África, no valor de US$ 34,5 milhões. O negócio foi tocado pela Diretoria Internacional da estatal, cota do PMDB no esquema de corrupção.

"Testador de motel": empresa abre vaga inusitada com inscrições até sexta

Seguem até 31 de março as inscrições para quem deseja concorrer à função inédita de "Testador de Motel", do portal Guia de Motéis. Qualquer pessoa no País pode concorrer à vaga. 

A remuneração fixa será de R$ 2 mil por mês no regime CLT e conta com benefícios, como plano de saúde e odontológico, vale-refeição e reembolso de quilometragem. 

O "Testador de Motel" irá viajar por várias cidades do país para avaliar os serviços, as instalações e os diferenciais no motéis, avaliando estabelecimentos pelo Brasil inteiro. 

Os pré-requisitos para a função são: 

Ter mais de 18 anos; 
estar cursando (ou ter cursado) faculdade de Hotelaria, Turismo, Administração ou Marketing; 
A vaga é para ambos os sexos 

“Estamos tendo um grande número de interessados. Queremos receber a maior quantidade de currículos possíveis, afinal esta é a vaga dos sonhos para muita gente”, conta Rodolfo Elsas, diretor do Guia de Motéis. 

Dúvidas mais frequentes sobre a função 

O trabalho em si: Avaliar motéis pelo Brasil inteiro. Você se hospeda como um cliente normal e usufrui de suítes de motéis de todo o Brasil. Depois de tudo isso, você preencherá um minucioso questionário que será entregue posteriormente para o dono de cada motel. Você terá que avaliar aspectos como: decoração, higiene, atendimento, manutenção gastronomia, etc. 
O trabalho é anônimo? Sim, pois as visitas aos motéis serão surpresa. 
O trabalho é remunerado? Sim, oferecemos um salário + benefícios. 
As visitas acontecerão diariamente? Sim, nossa meta é fazer um motel por dia. E você pode levar ainda um acompanhante. 
E quem paga o motel? O Guia de Motéis.

Governo aumenta teto de multa e pode cassar registro de frigoríficos infratores

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, anunciou, nesta quarta-feira (29), que o novo Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal (RIISPOA) permitirá a cassação do registro de frigoríficos que cometerem três infrações gravíssimas em intervalo de um ano. 

“Eles [frigoríficos] só podiam ser interditados, mas não havia perda do SIF [Serviço de Inspeção Federal]”. O aumento no rigor da fiscalização vem em resposta à Operação Carne Fraca, que denunciou esquema de pagamento de propina entre frigoríficos e fiscais para burlar o controle sanitário. 

O novo regulamento, assinado pelo presidente Michel Temer (PMDB) nesta quarta-feira, em cerimônia no Palácio do Planalto, também prevê aumentou a multa máxima aplicada a frigoríficos de R$ 15 mil a R$ 500 mil.

Câmara rejeita PEC que libera cobrança de pós-graduação em universidades públicas

O Plenário da Câmara dos Deputados rejeitou, no início da noite desta quarta-feira (29), em segundo turno, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 395/14, do deputado Alex Canziani (PTB-PR), que permite às universidades públicas cobrar pela pós-graduação lato sensu, voltados especificamente para o mercado de trabalho, como MBA (Master Business Administration). A matéria irá para o arquivo da Casa. 

O projeto recebeu apoio da maioria da Casa, com 304 voto “Sim”, porém precisava de 308 para ser aprovado. Foram 139 votos contrários à matéria. Pelo texto, as universidades públicas seguiriam ofertando cursos gratuitos de graduação, residência médica e demais cursos voltados à formação acadêmica, ficando livre para cobrar por cursos voltados para o mercado de trabalho. 

Os apoiadores do projeto defendiam que a medida daria maior independência às universidades e não feriria a Constituição, já que não alteraria o ensino superior gratuito. No entanto os contrários à matéria alegaram que o projeto abriria uma brecha para a privatização do ensino superior e o fim, em sequência, da gratuidade no ensino superior. 

A gratuidade do ensino superior brasileiro já foi alvo de ataques no Congresso Nacional. Parlamentares já tentaram pôr fim ao direito, atendendo a interesses escusos.